Branco, Rosé e Tinto: trilogia de vinhos ‘Lavradores de Feitoria’ é a escolha acertada para o Verão

O Verão veio para ficar, as férias, para quem ainda não as gozou, estão aí à porta e muitos são os portugueses (e estrangeiros) que não dispensam a companhia de bons vinhos.

A proposta da duriense ‘Lavradores de Feitoria’ é a sua trilogia de vinhos com nome homónimo. São eles os ‘Lavradores de Feitoria’ branco, rosé e tinto, três DOC Douro descomplicados e com uma excelente relação de preço-qualidade. Com um PVP recomendado de €3,99 são a escolha acertada para o consumo do dia-a-dia, à mesa ou harmonizados com um grupo de amigos, família e boa disposição!

Há mais de uma década no mercado, o ‘Lavradores de Feitoria branco’ é um vinho jovem, fresco, bastante frutado e com boa densidade aromática. Malvasia Fina, Síria e Gouveio voltam na colheita de 2014 – já disponível – a construir o lote deste branco de cor palha limão e aroma de fruta fresca a lembrar ameixa branca e melão. A frescura mantém-se na boca, que é simultaneamente mineral e muito suave. Um branco harmonioso, com uma acidez equilibrada, fruta muito viva e saborosa, características que proporciona um excelente final de boca.

Se o primeiro tinto é de 2001 e o branco nasceu na vindima de 2003, o rosé é ainda uma criança. A colheita de 2014 acaba de chegar ao mercado e é apenas a terceira a ganhar forma. Esta edição do ‘Lavradores de Feitoria rosé’ (2014) está na linha do antecessor, embora com uma presença mais acentuada de Touriga Franca, que juntamente com a Touriga Nacional compõe o lote deste néctar de cor salmonada. Um vinho elegante, no qual sobressai a frescura e a presença de fruta vermelha do tipo cereja, quer no aroma, quer na boca, onde também se encontram nuances citrinas. Com uma boa acidez e um volume de boca muito envolvente, fresco e seco, é um rosé bastante gastronómico.

O ‘Lavradores de Feitoria tinto 2013’, no mercado desde o primeiro trimestre, mantém o perfil da colheita anterior, que ganhou Ouro no International Wine Challenge e acaba de ser eleito pela Wine Spectator como um dos “Vinhos Recomendados de Portugal” (assim como o branco desta mesma gama), ao lado de vinhos 10 e 16 vezes mais caros. Sem recurso a madeira, é um tinto elegantemente afinado na conjugação de quatro castas rainhas no Douro: Touriga Franca (50%), Tinta Roriz (30%), Touriga Nacional (10%) e Tinta Barroca (10%). De cor vermelho rubi, é muito jovem e exuberante. No nariz é um tinto limpo e bastante frutado, enaltecendo os aromas de amora silvestre e ameixa preta maduras, típicas da região. Suave e elegante na boca, tem uma acidez equilibrada, boa presença de fruta, taninos macios e um final fino e muito saboroso.