Primeira marca de Alvarinho em Melgaço presente na Alemanha

A Quinta de Soalheiro, a primeira marca de alvarinho em Melgaço, vai marcar presença no histórico evento gastronómico no celeiro de Dagobertshausen (Alemanha), no próximo domingo, 19 de Julho, das 12h00 às 19h00.

A iniciativa, a Landpartie de Dagobertshausen, com um espaço suficiente até 200 pessoas, vai já na sua terceira edição e pretende mostrar o melhor da gastronomia mundial.

No evento, as várias colheitas do Soalheiro vão demonstrar a evolução de uma casa que tanto tem apostado na qualidade, na tradição e na agricultura/viticultura biológica.

A Quinta de Soalheiro tem um cariz familiar e dedica-se à exploração vitícola há 41 anos. Tudo tem feito para implementar as melhores tecnologias vitícolas e enológicas, de forma a potenciar a expressão dos seus terroirs.

Com uma cozinha de primeira classe, com os melhores Chefs, e novas delícias culinárias, o evento promete ser um dia inesquecível, com um ambiente maravilhoso e um grande entretenimento.

A Landpartie de Dagobertshausen reunirá produtores de referência mundial e dá a oportunidade de o Soalheiro se internacionalizar ainda mais, dando a conhecer os verdadeiros paladares de um delicioso Alvarinho.

O Vinho Soalheiro

O Soalheiro é considerado um especialista em Alvarinho pelos líderes de opinião internacional e nacional, pelo que na sua gama de vinhos se destacam a trilogia composta pelo Soalheiro clássico, efectivamente um clássico e o vinho com maior presença internacional; o Soalheiro Primeiras Vinhas, uma referência nos Alvarinhos e, por quatro vezes consecutivas, considerado o Melhor Vinho Branco Nacional e o Soalheiro Reserva, a expressão máxima da casta alvarinho com a fermentação em barrica.

Aos quais se juntam os dois espumantes Soalheiro, o clássico Bruto e, mais recentemente, o Bruto Rosé, não esquecendo ainda os inovadores ALLO e Soalheiro 9% que se distinguem pelo teor alcoólico moderado com enorme elegância e frescura, que procuraram explicar que o álcool moderadamente baixo também está associado a vinhos de grande qualidade.

Reconhecimento Internacional do Soalheiro

A Quinta de Soalheiro tem vindo a conquistar os mercados internacionais, ganhando já cinco medalhas de ouro. O Soalheiro 2014 e o Soalheiro Reserva 2013 são os vinhos galardoados e que têm elevado o nome Soalheiro a vários pontos do mundo.

Estas distinções não representam apenas um prémio na história do Alvarinho, representam um alavancar da economia local e do enoturismo da região.

Prémios

Soalheiro 2014 – Dupla medalha de ouro no Sakura Japão

Soalheiro 2014 – Medalha de Ouro e Melhor Vinho Verde no Mundus vini Alemanhã

Soalheiro Reserva 2013 – Medalha de Ouro no Internacional Wine Challenge em Inglaterra

Soalheiro Reserva 2013 – Medalha de Ouro no Challenge International du Vin em França

Soalheiro 2014 – Medalha de Ouro e Troféu Regional no Decanter Wine Awards em Inglaterra

Soalheiro 2014 – Prémio de Excelência na 3.ª edição do concurso Uva D’Ouro organizado com o apoio do Diário de Notícias, o Jornal de Notícias, Continente e a rádio TSF.

Quinta de Soalheiro – Um registo Familiar

A Quinta de Soalheiro é uma empresa familiar, com quatro gerações. O mentor foi João António Cerdeira que, com a ajuda do seu pai António Esteves Ferreira, plantou a primeira vinha de Alvarinho em 1974.

Desde então envolveu toda a sua família neste projecto, sendo que actualmente são os filhos, Maria João e António Luís, juntamente com a matriarca da família, Maria Palmira, que continuam o Sonho. Nos netos já se vislumbra o gosto pela Terra!

António Luís, desde cedo descobre a sua paixão pelo vinho. Enólogo de formação e conhecedor profundo da casta Alvarinho, desde criança vive este projecto, sendo ele um pilar inspirador para criação dos novos Soalheiros.

O gosto pela terra faz com que Maria João siga a tradição vitícola da família e certifique toda a vinha em agricultura biológica, defendendo a viticultura sustentável baseada no respeito pelo solo, pelas plantas e pelo homem, exaltando a riqueza do terroir de origem.

É esta história familiar, onde a tradição marca encontro com a modernidade, que confirma que não há vinhos sem pessoas dedicadas de forma contínua à paixão pelo vinho e pela vinha.