Quinta dos Monteirinhos apresentou os seus Tintos DOC 2012 e DOC 2013, tornando o Dão ainda mais “Especial”

Num caloroso final de tarde, os amantes dos bons néctares do Dão foram brindados com duas novas preciosidades extraídas das terras graníticas do planalto beirão. Os vinhos Tintos DOC 2012 e DOC 2013 da Quinta dos Monteirinhos foram apresentados na Garrafeira Portugal Wine Castes em Viseu.

A Quinta dos Monteirinhos, em Moimenta de Maceira Dão, a dois passos de Mangualde, alia aos seus quase 8 hectares de vinhedos, o saber de mais de 100 anos de experiência da família Monteiro Albuquerque na produção de vinhos do Dão.

Contou-nos a D. Rosa Ginestal que a Quinta dos Monteirinhos nasceu para homenagear e perpetuar a memória do Sr. Miguel, também conhecido como “O Especial”, que já produzia vinho em moldes artesanais, quando a pisa das uvas, feita só por homens, que, de braços entrelaçados e entoando velhas cantigas de roda, transformavam as uvas em mosto nos lagares de granito da casa de Água Levada.

O Sr. Miguel ficou conhecido por “O Especial” devido aos extraordinários vinhos que, nem sempre nas melhores condições, foi conseguindo fazer durante várias décadas na região do Dão, sendo, não só por isso, mas também por isso, que estes novos Tintos DOC 2012 e 2013 são e só poderiam ter notas de “um Dão Especial”.

Os vinhos produzidos pela Quinta dos Monteirinhos contam com a assinatura do enólogo Hugo Chaves de Sousa, um enólogo de novas podas, com créditos firmados no mundo da vitivinicultura nacional e internacional, tendo já conquistado várias medalhas de ouro nos vários e prestigiados concursos nacionais e internacionais nos quais tem participado. Foi também nomeado, em 2012 e 2014, por Aníbal Coutinho, entre os 10 melhores enólogos nacionais.

Os vinhos Tintos DOC 2012 e DOC 2013 tiveram produções distintas em termos de quantidade, sendo que, do Tinto DOC 2012 se produziram 6.666 garrafas e 17.333 garrafas do Tinto DOC 2013.

Nestes vinhos sente-se o equilibrado blend entre a Touriga Nacional, Tinta Roriz e Jaen, apresentando volume e estrutura surpreendentes, sendo ambos vinhos complexos e com aroma a frutos vermelhos, ideais para acompanhar pratos de carne e peixe no forno devendo ser deixados respirar 15 minutos antes do consumo, este a uma temperatura ideal de 16ºC.