Encontro com o Vinho e Sabores elege os melhores néctares e junta 20.000 visitantes

Terminou nesta Segunda Feira, a 17.ª edição do ‘Encontro com o Vinho e Sabores 2016’ (EVS), evento que se revelou mais uma vez um sucesso. Os números falam por si, contando-se a presença de cerca de 20.000 visitantes. Mas a organização, a cargo da Revista de Vinhos, orgulha-se acima de tudo da satisfação demonstrada pelos produtores e expositores presentes nesta que é a grande festa do sector.

Entre as diversas iniciativas programadas para os quatro dias de evento (este ano com maior destaque para os ‘Sabores’ com tertúlias diversas), o anúncio dos resultados e a entrega de prémios aos vencedores do ‘Concurso de Vinhos “A Escolha da Imprensa” 2016’ é um marco importante do EVS, momento que aguça ainda mais a curiosidade de produtores e visitantes, que durante o certame têm a oportunidade de comprovar a qualidade dos vinhos vencedores.

Em destaque estiveram o espumante ‘Quinta da Calçada Colheita Imperial Reserva’, o ‘Dory Regional Reserva branco 2014’, o ‘MR Premium tinto 2012’ e ‘Kopke Porto Colheita 1966’, vencedores do cobiçado ‘Grande Prémio Escolha da Imprensa’. Esta distinção é atribuída aos vencedores depois de uma finalíssima com os três mais pontuados em cada categoria. A única excepção foi para os rosés, onde nenhum vinho conseguiu pontuação para este prémio. Os 10 melhores seguintes na pontuação (9 nos rosés) conseguiram o prémio ‘Prémio A Escolha da Imprensa’, este ano atribuído a 49 néctares.

Nesta edição de “A Escolha da Imprensa” estiveram à prova (cega) quase 350 vinhos de todas as regiões vitivinícolas nacionais, de Trás-os-Montes ao Algarve, passando pelas Ilhas. O concurso teve lugar semanas antes do EVS no hotel The Vintage Lisboa, tendo reunido trinta e seis jurados, numa composição fora do habitual. O painel mistura provadores profissionais com enorme experiência e vários outros que, não sendo estreantes, já têm contacto com os temas da gastronomia e vinhos e são apreciadores dos néctares vínicos.

Pelo meio, existem ainda jurados com um curriculum variado nesta área. É um grupo algo heterogéneo mas a organização acredita que a inclusão de enófilos num grupo de profissionais de prova permite aproximar, digamos assim, a avaliação dos vinhos ao patamar do consumidor mais comum. Ou seja, o concurso “A Escolha da Imprensa” pretende estar mais próximo do consumidor regular dos bons vinhos, alargando o leque de opiniões a pessoas que são apreciadores frequentes e interessados.

Uma palavra ainda para o portefólio, simplesmente impressionante: quase todos os produtores que se inscreveram enviaram os seus topos de gama. Para se ficar com uma ideia da justeza desta afirmação, a média de preço de venda a público dos vinhos premiados supera os 30 euros a garrafa.

Note-se que os 53 vinhos premiados fizeram parte de um universo de mais de 2.500 referências que estiveram disponíveis para degustação livre durante todo o certame. Naquela que é a maior prova vínica do nosso país, todos os participantes puderam assim conhecer e degustar os seus néctares favoritos e surpreender-se com os novos projectos que vão surgindo em Portugal.

O EVS 2016 foi uma oportunidade única para que o consumidor, do mais enófilo ao menos informado, pudesse desfrutar de uma experiência única do olfacto ao palato. A afluência quer ao espaço dedicado ao ‘Vinho’, quer ao dos ‘Sabores’ foi de grande dinâmica ao longo dos quatro dias.